SANATIGH: restauração desumidificante dos muros húmidos

Código: S.0007

Ciclo de restauraçao desumidificante, anticondensação, composto por um sistema integrado de revestimento, reboco, aplainamento e pintura de proteção.

Produtos utilizados

Introdução

A humidade das paredes é um incoveniente como tudo mais que seja não frequente nos prédios. Um corpo murário é “patologicamente húmido” quando o conteúdo de água que caracteriza o mesmo, expresso em percentual, supera 3%. A situação se torna crítica quando a água está presente em grande quantidade e a parede não é capaz de a eliminar, na presença de quantidade significativa de sais, na presença de condições climáticas adversas.

Os efeitos que derivam são a degradação dos corpos murários e rebocos, a perda da capacidade termoisolante, o descolamento dos papeis de parede, o descolamento das tintas, o surgimento das eflorescências, o desaparecimento e o aumento de bolores, algas, batérias, etc., com uma série de repercussões em termos de insalubridade da habitação.

Um remédio confiável e resolutivo dos problemas ligados com a humidade murária é certamente representado pelo sistema que compreende o reboco macroporoso, de restauração, desumidificante SANATIGH, o reboco adesivo, desumidificante UNTERSANA e o acabamento homogeneizante SANASTOF, que é caracterízado, entre outros, pela forte capacidade desumidificante do reboco UNTERSANA que pode ser considerado, para todos os efeitos, como parte integrante do próprio reboco desumidificante.

O princípio funcional dos rebocos macroporosos, desumidificantes é representado pela elevadíssima superfície de evaporação determinada pela estrutura macroporosa que caracteriza os mesmos. O reboco tradicional retém a humidade não permitindo a evaporação adequada. Consegue o acúmulo da água e sais higroscópicos no corpo murário em processo dinámico que progride em termos de degradação. A estrutura macroporosa do reboco desumidificante, ao contrário, assegura o conveniente equilíbrio higrométrico.

Em outras palavras, o reboco macroporoso desumidificante absorve a água da parede e favorece a evaporação para o exterior. Esta característica, assimilável, em algumas medidas, a de uma esponja, representa é um elemento fundamental da qual é necessário considerar pois, se não considerada de forma conveniente, pode dar lugar a algum problema.

 

Transpirabilidade de um Reboco

Os processos acenados introduzem o conceito da permeabilidade ao vapor de água e das suas influências nos fenómenos que governam o equilíbrio higrométrico dos corpos murários. Os elementos a considerar são definidos pelo “coeficiente de resistência à passagem do vapor (μ)”, uma medida científica de um material de opor-se à passagem do vapor de água (quanto mais o coeficiente é baixo, mais o material é transpirante, o ar tem μ = 1). Seguem alguns exemplos de coeficientes de transpirabilidade:

Tipo de Material

Coef. μ

Reboco de gesso

7

Reboco com cal e cimento

15

Reboco de cimento

19

Betão

32

Poliestireno expandido

70

Poliuretano expandido

70

Polietileno em folha

100000

Alumínio em folha

infinito

SANATIGH

9

Todos os materiais do ciclo desumidificante SANATIGH têm um coeficiente entre 9 e 11, de modo tal que as partes que compõem todo o “sistema de reboco" sejam coerentes entre si e possam fornecer juntas uma salubridade habitacional muito elevada.

É interessante notar ainda que na presença de superfícies caracterizadas com um nível normal de evaporação, a altura da humidade de ascensão está normalmente compreendida entre 2 e 5 vezes a espessura da parede enquanto, na presença de superfícies pouco transpirantes ou de revestimentos que impedem a evaporação (rebocos e tintas pouco transpirantes), a altura da humidade de ascensão pode alcançar e superar nível compreendidos entre 10 e 12 vezes a espessura.

 

Algumas disposições úteis

A macroporosidade e permeabilidade dos rebocos desumidificantes é obviamente eficaz também frente aos elementos líquidos em contato com eles. O reboco macroporoso, de fato, se colocado em contato direto com estagnações da água pluvial, por exemplo, em correspondência de calçadas (principalmente, se sem pendência), absorve rapidamente a água.  Preliminarmente à aplicação do reboco é então indispensável controlar se as pendências das calçadas permitem um escoamento rápido de água de chuva. Recomendamos ainda realizar o basamento (10-15 cm) da fachada externa com um material diferente, que seja menos absorvente e que serve como camada de isolamento do plano da calçada.

O reboco macroporoso empurra a água da alvenaria para o exterior, além do revestimento que completa o sistema desumidificante. Se a camada final (reboco, tinta, etc.) não é adequadamente transpirante, os efeitos podem ser desastrosos (figura 3). O rebobo, a pintura e, ainda, o acabamento de um sistema macroporoso desumidificante deve possuir características de permeabilidade ao vapor coerentes com aquelas do sistema desumidificante. Por exemplo, em rebocos do tipo SANATIGH, SANAWARME, CALEOSANA, o valor de m, do acabamento, não deverá ser superior a 11.

 

Compartilhar

Soluções integradas que possam interessar-lhe